Além de não obter os resultados esperados, o tratamento ortodôntico planejado de forma incorreta pode causar danos graves à saúde bucal

 

O tratamento ortodôntico (uso de aparelho) é realizado para corrigir a má oclusão dos dentes, que pode ser de caráter hereditário – dentes apinhados ou separados demais, falta ou excesso de dentes – ou adquirido – hábito de chupar dedo, posicionamento incorreto da língua, perda precoce de dentes, e melhorar a harmonia da face.

Além da correção funcional e estética em adultos e crianças, o aparelho tem sido um aliado no tratamento de reabilitação em adultos. “Pessoas que perderam dentes há algum tempo e que desejam fazer implantes ou próteses, recorrem a esse tipo de tratamento para recuperar espaços, corrigir inclinações dentárias e só depois fazer o restante do tratamento”, explica a cirurgiã-dentista Dra. Luciana C. Grattão.

A consciência em procurar um especialista na área ortodôntica para realizar o diagnóstico e o planejamento do tratamento é fundamental.  “O profissional direcionará o caso de uma forma muito mais precisa. As opções de tratamento que existem hoje são muito mais amplas e o profissional que está atualizado têm condições de indicar o que é melhor em cada caso”, afirma Dra. Luciana.

Um tratamento ortodôntico seguro, correto e eficaz deve seguir 4 etapas: antes de tudo o paciente deve passar pela avaliação clínica, depois atender o pedido de documentação ortodôntica, então começa o tratamento clínico inicial de raspagem, limpeza, restaurações,extrações (quando necessárias) e por fim a colocação do aparelho ortodôntico ou ortopédico, dependendo do estudo do caso.

O tratamento precisa ser explicado ao paciente desde o início. “O profissional deve esclarecer o que vai ser feito, como vai ser feito e o tempo aproximado de tratamento. Para que o paciente deposite sua confiança no que está sendo realizado é necessário a interação com o profissional. A confiança é a palavra chave em qualquer tratamento odontológico”, acredita a cirurgiã-dentista.

Segundo a profissional, o tratamento ortodôntico mal conduzido pode acarretar diversos riscos ao paciente, além de gerar resultados indesejados. “A finalização de um tratamento não satisfatório funcional e/ou estético, a reabsorção radicular e perda óssea severa, caso haja condução incorreta do caso, se durante todo tratamento ortodôntico não houver acompanhamento clínico o paciente poderá desenvolver cáries e problemas periodontais (gengiva, osso), se as extrações forem mal planejadas não ocorrerá o fechamento dos espaços. Enfim, quando o tratamento não tem uma finalização correta, os sintomas iniciais reaparecerão, principalmente pela movimentação das raízes”, alerta.

Edição Digital Grátis!
Assine nossa newsletter
Baixe a edição digital da revista gratuitamente e receba as próximas edições, promoções e conteúdos exclusivos em seu e-mail.
CADASTRAR
Não enviamos spam e você pode cancelar sua inscrição a qualquer momento.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor deixe seu comentário!
Por favor informe seu nome