Algumas pessoas tem, outras não. Conheça mais sobre os dentes do siso.

Eles são os últimos dentes a erupcionar. Alguns chamam de dente do juízo, isto porque os terceiros molares, mais conhecidos como dentes do siso, erupcionam, conforme a cirurgiã dentista, Ana Scatolin, entre os dezessete e vinte e três anos. Em uma situação normal são quatro dentes do siso, dois na arcada superior e dois na inferior.

Contudo, se você tem mais de 23 anos e não tem os dentes do siso, não se preocupe. “Algumas pessoas apresentam agenesia (falta do germe dental) e estas nunca terão o dente do siso”, afirma a cirurgiã dentista. Porém, um dos principais receios dos pacientes é que ao eclodir os dentes do siso eles vão empurrar os outros dentes, alterando a sua posição, será que isso pode acontecer?

Na odontologia existem duas correntes. “Há quem defenda que o dente do siso ao erupcionar provoca apinhamento dos outros dentes e outros que tal apinhamento é provocado pelo crescimento residual da mandíbula e não pelo siso”, ressalta Ana.
A extração do siso é indicado, de acordo com a profissional, quando não há espaço para a erupção, dor, erupção parcial ou mal posicionamento do dente. “A extração geralmente é realizada por cirurgia, mas o grau de dificuldade da cirurgia depende da posição em que se encontra o siso”, diz. O siso pode estar incluso, dentes presos embaixo do tecido gengival por outros dentes ou osso, erupcionado parcialmente, mal posicionado ou em posição normal.

Quando há necessidade de extrair os dentes do siso, alguns profissionais preferem fazer em duas sessões ou mais ou em sessão única. “Prefiro fazer a extração dos quatro sisos em uma única sessão, e a maioria dos pacientes acham a melhor opção, pois a recuperação pós operatória é única, mas sempre com a concordância do paciente e o desenvolvimento da cirurgia”, revela Ana. Para realizar a cirurgia, a recomendação da profissional ao paciente é estar em boa condição de saúde e não tomar ácido acetil salicílico (AAS).

Cuidados pós-operatório:

As recomendações para o paciente, em geral, são as seguintes:

– repouso moderado nos primeiros dias (evitar pegar peso e fazer atividades físicas para evitar hemorragias, dores e alveolites, inflamação ou infecção na parte óssea onde estava o dente);

– evitar comer alimentos quentes e duros para preservar a região. Comida pastosa por 4 dias;

– fazer compressas com gelo;

– tomar corretamente os medicamentos indicados pelo cirurgião-dentista;

– não mexer na região operada.

“É importante lembrar que cada paciente reage de uma maneira muito particular, tanto para a dor como para o inchaço. Se o inchaço aparecer, ele melhora entre 3 e 5 dias”, explica a cirurgiã dentista.

 

Edição Digital Grátis!
Assine nossa newsletter
Baixe a edição digital da revista gratuitamente e receba as próximas edições, promoções e conteúdos exclusivos em seu e-mail.
CADASTRAR
Não enviamos spam e você pode cancelar sua inscrição a qualquer momento.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor deixe seu comentário!
Por favor informe seu nome