Sensação de cansaço constante, choro fácil e tremor são alguns dos sintomas do estresse

No corpo humano, há diversas regiões de pontos de tensão. Se procurarmos na literatura, ela vai apontar diversas regiões do corpo, porém, de acordo com a fisioterapeuta Talita Tesseroli na prática clínica é possível ver que situações de estresse intenso podem ser provenientes de várias causas. “O estresse muscular causado por longas horas de viajem ou estudos, por exemplo, tendem a formar na grande maioria dos casos, pontos gatilhos na região de trapézio, que acaba gerando o famoso torcicolo, que estende a dor desde a cervical até os ombros, e se não for tratada corretamente, pode agravar os sintomas, causando formigamentos e dores ao longo dos braços e até as mãos”, afirma a fisioterapeuta.

No geral, a região de paravertebrais (costas) tem uma tendência muito grande à formação de pontos de tensão devido a grande mobilidade da coluna vertebral nas atividades realizadas diariamente pelo indivíduo, essa região também sofre devido aos distúrbios posturais e movimentos repetitivos. “Além das costas, a panturrilha é comumente acometida devido à longas jornadas de trabalho sem sentar, caminhada longa sem preparo, uso de calçados inadequados, entre outras causas, as demais regiões do corpo sofrem um pouco menos com essas tensões, surgindo alguns casos mais específicos e normalmente devido a algum movimento realizado de maneira incorreta. Eu diria então que as principais regiões de tensão no corpo estão localizadas na região posterior de tronco, região cervical, escapular, torácica e lombar”, explica Talita.

A síndrome da dor miofascial e a formação de pontos dolorosos são o resultado de fibras musculares lesadas ou muito estimuladas que levam a uma perda de oxigênio e fornecimento de nutrientes às fibras musculares por um curto período de tempo, esses pontos ainda prejudicam a musculatura geral devido ao aumento formação de íons e substâncias nocivas ao músculo.

O tratamento deve ser realizado através de procedimentos específicos, direcionados ao caso de cada paciente. “Quem sofre frequentemente com dores musculares deve procurar identificar a causa do problema, ficando atento aos sinais de agravamento das dores para evitar essas atividades ou até mesmo controlar situações de estresse. Diversas pesquisas vêm sendo realizadas no sentido de liberar pontos de tensão, algumas bem interessantes como injeção direta de lidocaína e toxina botulínica, bem como aplicação de agulha seca apenas para ver a resposta de contração muscular”, diz Talita. Devido aos diversos tratamentos propostos pela literatura, cabe ao profissional identificar qual deles é o mais indicado para cada caso.

 

Busque tratamento

Segundo a fisioterapeuta, o tratamento para liberação dos pontos gatilhos ou pontos de tensão, pode ser realizado através de massagem relaxante e terapêutica, injeção local, terapia de frio e calor, spray de resfriamento, aplicação de fitas conhecidas como kinesio taping, acupuntura, auriculoterapia, hidroterapia, alongamento muscular, eletroestimulação muscular e nervosa, troca ou adequação de posturas ou movimentos realizados de maneira incorreta, realinhamento postural, e ainda em alguns casos pode ser necessária à intervenção de um profissional de psicologia para auxiliar no alívio dos sintomas de estresse e depressão, evitando assim a reincidência.

É possível aliviar o estresse através da ativação do Sistema Nervoso Parassimpático (SNP), que é o sistema responsável pelo relaxamento e descanso do organismo, este conserva a energia, diminui o ritmo cardíaco, aumenta a atividade intestinal e relaxa os músculos do esfíncter do trato gastrointestinal, reduz a pressão sanguínea e causa uma sensação boa de relaxamento. “Quando realizamos um equilíbrio do Sistema Nervoso Central conseguimos reduzir o estresse, pois muitas vezes Sistema Nervoso Simpático (sistema de alerta) está muito ativo, impedindo que o indivíduo consiga relaxar”, salienta Talita.

 

Conheça os sintomas do estresse

cansA dor muscular pode ser a resposta ao estresse extremo do organismo, porém antes disso é possível identificar sintomas sutis como tonturas, hábito de morder lábios e bochechas, sensação de cansaço constante, queda de cabelo, dores de cabeça, irritabilidade, choro fácil, tremor, angústia, medo, impaciência, dificuldade de concentração, lapsos de memória e insônia.

Edição Digital Grátis!
Assine nossa newsletter
Baixe a edição digital da revista gratuitamente e receba as próximas edições, promoções e conteúdos exclusivos em seu e-mail.
CADASTRAR
Não enviamos spam e você pode cancelar sua inscrição a qualquer momento.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor deixe seu comentário!
Por favor informe seu nome