A doença, que não tem cura, pode ser prevenida com uma mudança nos hábitos alimentares

 

O herpes labial é uma infecção de pele causada pelo vírus herpes humano (HSV 1 e HSV2). O seu quadro é caracterizado pelo surgimento de pequenas bolhas agrupadas na região dos lábios e genitais, mas também podem surgir em outras partes do corpo.  “Além disso, o vírus de herpes humano pode permanecer latente no organismo e provocar recidivas de tempos em tempos”, alerta o dermatologista Guilherme Krüger.

Portanto, há a possibilidade de que uma pessoa carregue o vírus ao longo da vida e a doença só se manifeste tardiamente. “Geralmente, o primeiro contato com o vírus ocorre durante a infância, através de secreções orais. Em seguida, o vírus se aloja em um neurônio e lá pode permanecer durante toda a vida do indivíduo sem causar qualquer sintoma, em um estado de latência. Um dos gatilhos para o reaparecimento da doença é a exposição solar intensa, por isso é importante o uso do protetor labial. Outros fatores que facilitam o reaparecimento do herpes, além de baixa imunidade do organismo, é o estresse, cansaço físico, mental e também a vigência do período menstrual”, afirma o especialista.

Apesar de ser uma doença sem cura definitiva, é possível tratá-la com antivirais orais e algumas pomadas específicas. Desse modo, é de suma importância que se inicie o tratamento assim que o primeiro sintoma se manifestar, para que não corra o risco do vírus se replicar, sempre com acompanhamento médico.

 

Como prevenir? A resposta pode estar na alimentação!

Segundo o Dr. Guilherme, o recomendável é comer alimentos que possuam lisina, visto que nosso organismo não produz esse aminoácido. A lisina é importante, pois pode inibir outro aminoácido, a arginina, que atua auxiliando na reprodução do vírus do herpes. “Como elas competem dentro da célula, o aumento da lisina no organismo significa uma queda da arginina, e manter essa relação harmoniosa é muito importante como medida profilática para prevenir o herpes labial e sua reincidência, além de acelerar o processo de cicatrização”, finaliza o médico.

 

Alimentos ricos em lisina

  • Queijo
  • Soja
  • Verduras
  • Frango
  • Peixes

Alimentos ricos em arginina (evitar)

  • Amêndoas
  • Castanhas
  • Chocolates
  • Laranja
  • Uvas
Edição Digital Grátis!
Assine nossa newsletter
Baixe a edição digital da revista gratuitamente e receba as próximas edições, promoções e conteúdos exclusivos em seu e-mail.
CADASTRAR
Não enviamos spam e você pode cancelar sua inscrição a qualquer momento.

1 COMENTÁRIO

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor deixe seu comentário!
Por favor informe seu nome