Equipe Centro de Reprodução Assistida de Guarapuava

Nas últimas décadas tornou-se evidente a mudança das ambições da mulher na sociedade. A preocupação com a formação profissional, dedicação para inserção e sucesso no mercado de trabalho e a importância da independência financeira acabaram levando a uma mudança de prioridades. Antes a prioridade era a formação da família e o processo de engravidar e ter filhos, agora ela é postergada em detrimento de outras prioridades. Atualmente, primeiro a família busca estabilidade profissional e financeira para que se possa criar os filhos com mais segurança e tranquilidade. Tudo isso pode trazer algumas consequências em relação à fertilidade, tornando o planejamento familiar essencial.

Nesse contexto a reprodução assistida tem seu papel. Não somente para ajudar casais com dificuldades para engravidar, mas também para auxiliar no planejamento da gestação, para que quando for tomada a decisão de engravidar, esse seja um processo tranquilo e sem traumas.

Ricardo Delle Donne

Infelizmente, o envelhecimento dos óvulos é a principal causa de infertilidade, e sobre a qual pouco se pode atuar na medicina. “Em torno dos 35 anos, a reserva ovariana passa a cair rapidamente. Por isso a mudança comportamental da mulher aumentou também as taxas de infertilidade. No caso dos espermatozoides, a idade também influencia as taxas de gravidez. Porém, para os homens, isso ocorre mais tarde (somente após os 50-60 anos)”, informa o ginecologista Dr. Ricardo Delle Donne, especialista em reprodução humana.

O ideal é que a mulher engravide até os 35 anos. Porém, essa não é uma possibilidade para muitas mulheres na sociedade atual. E, é nesse público que o papel do planejamento da gestação se torna mais importante. “Caso não haja plano de gestar até essa idade, o ideal é procurar um profissional especialista em reprodução humana para orientações em relação a preservação de sua fertilidade, congelando seus óvulos, os espermatozoides e até os embriões do casal, para uma gravidez em um momento mais oportuno no futuro, tal como fez recentemente a cantora Ivete Sangalo com gestação segura aos 45 anos”, recomenda o ginecologista e obstetra Dr. Hélio Delle Donne.

 

Como preservar a fertilidade?

Hélio Delle Donne

Preservação da fertilidade é o principal tema de muitos estudos publicados atualmente. “O intuito é manter o potencial reprodutivo mesmo após os 35 anos. Para isso é realizada uma avaliação completa do casal e o planejamento futuro da gestação”, afirma Dr. Ricardo.

O congelamento dos óvulos em idades abaixo dos 35 anos, segundo Dr. Hélio, vem se mostrando uma alternativa muito eficaz para que se mantenham as taxas de fertilidade, mesmo para pacientes que só decidem engravidar em torno dos 40 anos, tornando a gestação perfeitamente possível, o que não acontece no caso de uso de óvulos frescos após os 35 anos.

Portanto, quanto antes se planejar sobre o período mais apropriado para gestar, menos dificuldades tende-se a enfrentar. No momento desse planejamento, a avaliação do Médico especialista em Reprodução Humana é essencial. Além disso, Dr. Hélio ressalta que casais que já estão tentando engravidar há mais de um ano, quando a mulher tem menos que 35 anos, ou os que estão tentando há mais de 6 meses, caso a mulher tenha mais de 35 anos, devem procurar imediatamente auxílio, pois quanto mais tempo essa procura demora, maior tende a ser a dificuldade de sucesso nos tratamentos.

Hoje também é possível preservar a fertilidade para uma gravidez no futuro em casos de câncer, onde os pacientes se submeterão a quimioterapia ou radioterapia e terão seus gametas – óvulos e embriões – destruídos. “Com o avanço dos tratamentos do câncer, muitos pacientes têm obtido a cura e criando-se a possibilidade de uma gestação futura, o que era impossível de ocorrer no passado”, completa Dr. Ricardo.

 

Fiz laqueadura, ou vasectomia, e agora decidi ter mais filhos! É possível?

Casais que no passado optaram por métodos contraceptivos definitivo, como a laqueadura tubária e a vasectomia, considerados praticamente irreversíveis e causa atualmente de arrependimento, hoje existem tratamentos com ótimos resultados para uma nova gestação, sem a necessidade de reverter as cirurgias feitas no passado.

O Centro de Reprodução Assistida de Guarapuava (CREAG), sob supervisão do Dr. Hélio e Dr. Ricardo Delle Donne, também dispõe de técnicas, ditas minimamente invasivas, para diagnóstico e tratamento da infertilidade causada pela endometriose, doença cada vez com maior prevalência em virtude da postergação da maternidade, e causadora de dores pélvicas intensas, sendo tratadas com a vídeo laparoscopia cirúrgica, endoscopia que permite a visão direta dos órgãos pélvicos, avaliando ainda a permeabilidade das trompas uterinas. O CREAG conta ainda com a vídeo histeroscopia diagnóstica e cirúrgica, a qual permite visualização da cavidade uterina com retirada de corpos estranhos que impedem a gravidez, tais como:  pólipos, fios cirúrgicos, miomas e DIUs, além de identificar processos inflamatórios no endométrio que impedem a implantação dos embriões ou causam hemorragias menstruais importantes.

As gestantes com maior risco de doenças genéticas ainda têm a  disponibilidade de detecção destas doenças nos embriões antes da transferência desses para o útero, através da biópsia embrionária, retirando – se algumas células do embrião, fazendo-se o estudo genético destas células, podendo assegurar a normalidade do embrião a ser transferido e trazendo assim maior tranquilidade para o casal.

R. Vicente Machado, 1100 – Centro

42 3623 5656 l  42 3623 1236

 

Edição Digital Grátis!
Assine nossa newsletter
Baixe a edição digital da revista gratuitamente e receba as próximas edições, promoções e conteúdos exclusivos em seu e-mail.
CADASTRAR
Não enviamos spam e você pode cancelar sua inscrição a qualquer momento.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor deixe seu comentário!
Por favor informe seu nome