A audição tem papel fundamental no processo de comunicação e interação social.

Ouvir o canto dos pássaros, a melodia da canção, a voz da pessoa amada, as gargalhadas dos pais, o som da campainha, o latido do cachorro, o toque do telefone, o barulho da chuva, é uma sensação sem igual. Um dos seis sentidos do ser humano, a audição, pode estar comprometida desde o pré-natal ou a partir da infância até a velhice (terceira idade). Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), 15 milhões de pessoas sofrem com algum tipo de perda auditiva no Brasil, destas 350 mil não conseguem ouvir.

O ouvido, conhecido também como orelha, é uma estrutura complexa dividida em três partes – externa, média e interna. “O ouvido externo é o responsável por captar as ondas sonoras (som), através do pavilhão auricular, espécie de concha acústica, e conduzi-las ao canal auditivo. As vibrações que as ondas produzem na membrana do tímpano prosseguem pelo ouvido médio e pelo interno até as células sensitivas que as transformam em sinais nervosos para serem transmitidos ao cérebro”, explica o otorrinolaringologista, Lincoln Norimassa Yoshida.

Diferenciar o som de um carro, de uma sirene, de uma fala, é possível pela codificação sonora realizada pelo cérebro, por isso qualquer falha na fisiologia do ouvido pode prejudicar a audição. “A onda sonora captada pelo ouvido externo faz vibrar a membrana timpânica, o som é transmitido pelos 3 ossículos do ouvido médio: martelo, bigorna e estribo até a cóclea, uma das partes do ouvido interno. Na cóclea, existem células ciliadas capazes de reconhecer se o som é forte ou fraco, agudo ou grave, e de conduzi-lo ao nervo auditivo, em forma de ondas elétricas para o cérebro, o qual realiza esta interpretação”, diz Yoshida.

Uma perda auditiva pode ser quantificada como leve, moderada, severa e profunda. “De uma forma geral, a perda leve corresponde de 25% a 30%, a moderada de30 a50%, a severa até 75% da audição e, acima desta porcentagem, perda profunda, avaliando também as freqüências atingidas”, afirma o otorrinolaringologista. Os problemas de audição podem começar ainda no período intra-útero, ou seja, no desenvolvimento do bebê. “No pré-natal a principal causa é genética, contudo também são fatores de riscos as doenças como rubéola, sífilis, herpes, citomegalovírus e toxoplasmose durante a gestação”, declara o médico. Outro agravante, segundo ele,  são bebês prematuros que ficam internadas na Unidade de Tratamento Intensivo (UTI) , com quadros de hipóxia neonatal (falta de oxigenação cerebral), infecções graves e, muitas vezes, pelo uso de  medicações ototóxicas.

Um exemplo de deficiência auditiva pelo fator hereditário é o caso da menina Gabriela Cristina Cidral, de Guarapuava, que hoje está com 12 anos. “Quando a Gabriela nasceu, nós não percebemos nada de diferente em relação ao estímulo auditivo até porque ela era muito ativa, e com um ano de idade ela chegou a balbuciar, mas acredito que isto aconteceu de tanto estimularmos-la”, conta a mãe de Gabriela, Cláudia Cristina Marcelino. Conforme Cláudia, que é pedagoga e psicopedagoga, depois que descobriram que a filha mais nova não escutava, foram buscar o porquê e ao fazer o teste genético foi constatado que o casal tem mutações no mesmo alelo do gene da Conexina 26, gene relacionado a audição.

A perda auditiva não está condicionada apenas aos fatores genéticos ou infecções pré-natais, pode acontecer em outras fases da vida. “Na fase pré-escolar geralmente a criança tem infecções de ouvido e uma infecção mal tratada causa seqüelas, como a perfuração timpânica, onde a perda da audição é de30 a40%”, alerta Yoshida. Conforme ele, a criança que não escuta bem e está aprendendo a falar vai pronunciar erradamente as palavras e, consequentemente, escrever errado. A audição é essencial para o processo de comunicação.

Na fase adulta, a perda auditiva pode estar associada à intensidade sonora dos ruídos, seja no trabalho, na faculdade, na rua, em shows. “O som muito alto e prolongado no trabalho, o uso de Ipods e MP3 em alto volume e contínuo, podem comprometer seriamente a saúde auditiva”, ressalta o otorrinolaringologista. A incidência de adolescentes e jovens com perda auditiva vem aumentando e um dos principais responsáveis são os fones de ouvidos usados inadequadamente. Segundo a Associação Brasileira de Otorrinolaringologia e Cirurgia Cervico Facial (ABORLCCF), o ouvido humano suporta até 90 decibéis. A partir daí, já existe a possibilidade de uma pessoa apresentar lesão, muitas vezes irreversível, levando a perda auditiva.

Outra causa de surdez, que afeta principalmente o público feminino na menarca (primeira menstruação), gravidez e na menopausa, é a otosclerose. Mas, segundo o médico, “esta perda auditiva é uma doença enigmática e acontece em menor freqüência”. Ainda na fase adulta, acima dos 30 anos, o déficit auditivo pode estar associado ao labirinto, conhecida popularmente como labirintite, no entanto, o termo correto para as doenças relacionadas ao labirinto é “vestibulopatia ou labirintopatia”. “O labirinto é o órgão responsável pelo equilíbrio e audição. O equilíbrio está incluído como o sexto sentido pelo fato de ser fundamental para manter o corpo estável ou em movimento de modo harmônico”, explica Yoshida. De maneira ampla, o equilíbrio corporal depende do funcionamento do labirinto (parte interna do ouvido) e da sua complexa rede de comunicação com os sistemas ocular e com o sistema nervoso central. Sintomas como tonturas, vertigens, desequilíbrio, surdez ou zumbido podem estar relacionados à labirintopatia.

O declínio da audição também pode ocorrer de forma lenta e gradual a partir dos 40 anos, sendo mais notificado depois dos 60 anos. “A presbiacusia é definida como a diminuição da audição relacionada ao envelhecimento por alterações degenerativas, incluindo as das células da cóclea”, afirma o otorrinolaringologista. Fatores como problemas circulatórios, cigarro, colesterol, diabetes, pressão alta, contribuem para estas alterações auditivas. A dificuldade de ouvir, principalmente os sons agudos, traz sérias limitações e pode prejudicar o relacionamento familiar, emocional e social. Para não ser alvo da depressão e do isolamento, é importante que os familiares se esforcem ao máximo para integrá-los no contexto social e consultem um otorrinolaringologista para realizar o diagnóstico e o tratamento.

 

Tratamentos

Implante Coclear

O tratamento pode ser realizado através de intervenções cirúrgicas no ouvido médico, aparelhos auditivos e, o mais novo método, implante coclear. “As próteses auditivas revolucionaram bastante do sistema analógico para a tecnologia digital, permitindo que a amplificação sonora seja programada com exatidão em relação à perda auditiva do usuário, além de vir em tamanho menor”, avalia o médico.

Hoje a forma mais eficiente para combater a surdez é o implante coclear. Pesquisas comprovam que quanto mais cedo for realizada a cirurgia, melhores serão os resultados às crianças com deficiência auditiva. Por isso, é fundamental que o diagnóstico ocorra no exame neonatal (recém nascido). “Quando eu tive a Gabriela não faziam o teste da orelhinha e, assim, descobri que ela tinha problemas de audição só depois de um ano”, argumenta Cláudia. Ela conta que a filha começou usando o aparelho auditivo convencional, mas o ganho na audição e no aprendizado era muito pouco, diferente de agora, após ter realizado o implante coclear com quatro anos.

O implante coclear é um dispositivo eletrônico de alta tecnologia, também conhecido como ouvido biônico, que estimula eletricamente as fibras nervosas remanescentes, permitindo a transmissão do sinal elétrico até o nervo auditivo para ser decodificado pelo cérebro. O funcionamento do implante difere do Aparelho de Amplificação Sonora Individual (AASI). “O AASI amplifica o som e o implante coclear fornece impulsos para a estimulação das fibras neurais em diferentes regiões da cóclea, possibilitando ao usuário a capacidade de perceber e processar o som”, afirma Yoshida.

“Com a realização do implante coclear percebemos uma diferença enorme, tanto na facilidade dela escutar como uma evolução maior na fala. Eu aconselho a todos que têm problemas auditivos ou surdez para fazer o implante”, observa Cláudia, que ensinou a filha a ler com cinco anos. Gabriela está terminando o 5º ano do ensino fundamental, em escola regular, e já escolheu a sua profissão quando crescer: “quero ser fisioterapeuta e abrir a minha própria clínica. Vou contratar vários profissionais da área para trabalhar comigo”, diz Gabriela.

 

 

 

Edição Digital Grátis!
Assine nossa newsletter
Baixe a edição digital da revista gratuitamente e receba as próximas edições, promoções e conteúdos exclusivos em seu e-mail.
CADASTRAR
Não enviamos spam e você pode cancelar sua inscrição a qualquer momento.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor deixe seu comentário!
Por favor informe seu nome