Evite o mau hálito desvendando alguns de seus segredos

Conhecido no meio científico como “halitose”, o mau hálito, que atinge 4 entre 10 pessoas no Brasil, é responsável por muitos constrangimentos e receios no dia a dia. Segundo uma pesquisa realizada no Brasil, foi constatado que 80% das pessoas escovam os dentes, principalmente, para não ter mau hálito, e só em segundo plano está a preocupação com a saúde bucal.

Como todos querem se ver bem longe desse problema, A Revista Mais Saúde entrevistou o Cirurgião Dentista e Implantodontista Dr. Diego R. Santos para esclarecer alguns dos principais mitos sobre este tema.

 

Revista Mais Saúde – O mau hálito pode ser resultado de diversos fatores além da boca?

Dr. Diego – Verdade. Apesar da maioria das causas serem da cavidade oral, ainda podemos ter outros fatores causadores da halitose, como doenças do trato respiratório e doenças do sistema digestivo, por exemplo.

 

Revista Mais Saúde – É verdade que o mau hálito vem do estômago?

Dr. Diego – Mito. Segundo a Associação Brasileira de Halitose (ABHA) este é um dos maiores mitos da saúde atual, pois estudos mostram que acima de 92% dos casos de halitose são provenientes da boca.  A ABHA fez um estudo com 5000 pessoas que tratavam halitose e nenhum caso foi de origem estomacal.

 

Revista Mais Saúde – Ficar muito tempo sem comer pode provocar o mau hálito?

Dr. Diego –  Verdade. A alimentação mais frequente durante o dia e em poucas quantidades é indicada pelos nutricionistas, e este hábito também favorece a produção de mais saliva o que acaba reduzindo o mau hálito. Outro detalhe importante é mastigar adequadamente e sem pressa os alimentos. Esta ação também auxilia na produção de saliva. Mas não esqueça de higienizar os dentes após a alimentação e evitar alimentos que provoquem uma halitose específica.

 

Revista Mais Saúde – É verdade que o uso de balas, chicletes e enxaguantes bucais inibem o mau hálito?

Dr. Diego – Mito. O consumo dessas substâncias utilizadas para mascarar o mau hálito é muito comum, estima-se que são gastos cerca de 2 milhões de dólares por ano na compra desses produtos. Entretanto, está comprovado que estas substâncias apenas mascaram o mau hálito de maneira temporária e não tratam de maneira efetiva este problema. Estes produtos podem ser utilizados como coadjuvantes e com moderação, mas queremos que fique muito claro que o tratamento e prevenção da halitose vão muito além destes mascaradores.

Edição Digital Grátis!
Assine nossa newsletter
Baixe a edição digital da revista gratuitamente e receba as próximas edições, promoções e conteúdos exclusivos em seu e-mail.
CADASTRAR
Não enviamos spam e você pode cancelar sua inscrição a qualquer momento.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor deixe seu comentário!
Por favor informe seu nome