Exercícios físicos melhoram o desenvolvimento motor, a qualidade do sono e o controle da ansiedade

    A prática de atividades físicas deve ser um hábito presente em todas as idades, inclusive na infância. E que os exercícios físicos trazem benefícios, em todas as fases da vida, está mais do que comprovado.

   Quando criança, as atividades que exigem movimento fortalecem os ossos, os músculos e os órgãos, além de evitar a obesidade. A pediatra Letícia Domingos explica que a prática de atividades físicas  por crianças e adolescentes às fazem ter mais chances de se tornarem adultos ativos, e, consequentemente, mais saudáveis. “Desde a infância, a prática de atividades contribui para prevenir a obesidade, uma grande preocupação de saúde pública mundial”, afirma.

  Segundo a personal trainer Michelle Barbosa, os benefícios de praticar atividades físicas na infância vão desde o desenvolvimento motor até a melhora na qualidade do sono e ansiedade, caso a criança seja muito agitada. Além de estimular hábitos saudáveis para a vida adulta.

 

O que a atividade física proporciona na infância:

  • Diversão;
  • Melhora o desenvolvimento motor;
  • Melhora a motricidade fina;
  • Promove o crescimento;
  • Ajuda a construir músculos e ossos fortes;
  • Mantem e desenvolve flexibilidade;
  • Promove a manutenção do peso adequado;
  • Melhora o sistema cardiovascular;
  • Melhora a autoestima;
  • Melhora a postura;
  • Oportunidade de socialização.

 

“Promover atividade física na infância significa estabelecer uma base sólida para a redução da prevalência do sedentarismo na vida adulta, contribuindo desde cedo para uma qualidade de vida melhor”, ressalta a pediatra.

Quais são os esportes mais indicados na infância? 

    O esporte mais indicado na infância, segundo a personal trainer, é aquele que a criança se identifique melhor, pois a prática deve ser vista como algo prazeroso. Esportes, lutas e até a própria musculação, que traz inúmeros benefícios, como força, concentração, coordenação e equilíbrio, podem ser praticados por crianças.

   “Atividades físicas devem começar já na fase de bebês. A partir de seis semanas, os pais já podem estimular com brinquedos coloridos, com sons suaves, cantar e fazer gestos. Depois de alguns meses, brincar de esconder objetos, e também espalhar objetos e brinquedos para que o bebê se movimente para buscar”, salienta a médica.

Esportes mais recomendados para cada idade:

  • 6 meses: natação.
  • De 1 a 3 anos: atividades simples como correr, pular, dançar ao som de músicas que a criança goste. Teatrinhos com fantoches.
  • Dos 3 aos 5 anos: correr, pular, chutar e agarrar bolas, brincadeiras como “estátua”, meu “mestre mandou”. Brincadeiras simples, sem muitas regras.
  • Dos 5 aos 8 anos: podemos começar atividades que envolvam regras simples e desafios (amarelinha, “corrida de saco”) e ao mesmo tempo sejam divertidas. Nessa fase já podem iniciar os esportes, e é importante apresentar as várias modalidades. A criança precisa gostar, nunca ser obrigada a participar.
  • Dos 8 aos 13 anos: Nessa faixa etária, já estão preparados para competir, jogos em equipes (estimular interação social, aprender a lidar com a frustração de perder, aprender a dividir a responsabilidade).  A partir dos 10 anos, corridas e circuitos leves são liberados.

 

“É muito importante, em qualquer idade, respeitar os limites de cada um, sempre acompanhado de um educador físico”, diz a pediatra.

Diversão com segurança

    É importante que as crianças estejam sempre sob a supervisão de um profissional de educação física, de acordo com Michelle, para que as práticas sejam realizadas de maneira adequada. “O exercício também não pode tornar-se uma cobrança ou um compromisso monótono, e sim uma atividade saudável e lúdica, onde a criança possa estar se divertindo”, ressalta a profissional.

    Quando a criança se exercita de maneira errada, ela corre os seguintes riscos, como conta a pediatra:

   Hipertermia: Aumento da temperatura do corpo. “As crianças estão mais sujeitas, pois apresentam maior produção de calor e menor transpiração. Deve-se cuidar muito do ambiente (temperatura e umidade). É importante a hidratação antes, durante e depois dos exercícios”, diz.

    Lesões: “Como os ossos ainda estão em formação (até os 20 anos), as placas de crescimento são vulneráveis a lesões por traumatismos e “overuse””.

   Letícia ressalta também que quando o objetivo for competição ou atividades de alta intensidade, uma avaliação médica funcional mais ampla deve ser realizada, e deve existir acompanhamento multidisciplinar.

 

Edição Digital Grátis!
Assine nossa newsletter
Baixe a edição digital da revista gratuitamente e receba as próximas edições, promoções e conteúdos exclusivos em seu e-mail.
CADASTRAR
Não enviamos spam e você pode cancelar sua inscrição a qualquer momento.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor deixe seu comentário!
Por favor informe seu nome