Foto: Matheus Buongermino

O evento com o palestrante aconteceu no dia 20 de novembro de 2018 em Guarapuava e mostrou que os verdadeiros heróis nem sempre estão longe da gente

 

Marcos Piangers, o “Papai Pop”’, tornou-se uma referência quando o assunto é paternidade. O escritor, jornalista e especialmente pai, viaja pelo Brasil para ministrar palestras contando sua própria história que está presente no livro “O Papai é Pop”, que estourou não apenas em solos brasileiros, mas também na Espanha, Portugal, Inglaterra e EUA, vendendo mais de 250 mil exemplares. Ele menciona em suas palestras a real importância que o papel de um pai pode trazer na vida do filho, e claro, tudo isso de maneira descontraída e engraçada ao contar os maiores desafios que um pai pode passar (que vai desde trocar fralda até enfrentar temíveis grupos de colégios no Whatsapp).

O que Piangers vêm fazendo com seu trabalho de escritor e palestrante é desmistificar, e principalmente, desconstruir conceitos que vão sendo impostos há décadas pela sociedade dentro da relação pai e filho. Tanto suas palestras como seus vídeos na internet (que já passaram de 300 milhões de visualizações nas redes sociais) apresentam ideias cujo objetivo é fazer um rompimento com estigmas conservadores que muitas vezes distanciam famílias e impedem que os homens vejam a real aventura que ser pai pode proporcionar.

Porém, nem tudo foram flores na vida de Marcos, que desde muito cedo teve que conviver sem a figura paterna, onde via sua mãe realizando as duas funções ao mesmo tempo. Isso fez com que a motivação em escrever sobre paternidade e seguir na busca de ser um pai presente na vida de suas filhas (Anita de 13 anos e Aurora de 6) aflorasse cada vez mais dentro de si.

Na palestra, realizada no dia 20 de novembro em Guarapuava, Piangers reiterou como os pais podem fazer para deixar de lado jargões comuns: “O papai trabalha para pagar boletos” ou “papai, muitas vezes não está aqui, para colocar comida na mesa”. Isto, faz as crianças verem o trabalho como algo árduo e massacrante, e a pensarem: “eu nunca vou querer trabalhar”. “O trabalho deve ser mostrado pelo âmbito social, o que você faz contribui para o bem de outras pessoas, para a sociedade”, pondera. É importante ter o seu trabalho e ter o tempo para curtir a sua família, brincar com os filhos, dar atenção a eles. E, para Piangers o argumento: “não importa quantos minutos dedico ao meu filho, o que importa é a qualidade do tempo quando estou com ele. Dedico 1 minuto do meu dia com qualidade, é melhor do que 1h sem qualidade”. Isto não funciona. É preciso ter quantidade e qualidade para construir a afinidade entre pais e filhos.

Edição Digital Grátis!
Assine nossa newsletter
Baixe a edição digital da revista gratuitamente e receba as próximas edições, promoções e conteúdos exclusivos em seu e-mail.
CADASTRAR
Não enviamos spam e você pode cancelar sua inscrição a qualquer momento.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor deixe seu comentário!
Por favor informe seu nome