O Autismo é um transtorno de desenvolvimento que compromete a comunicação e interação social e precisa que a sociedade faça a sua parte

O indivíduo dentro do Transtorno do Espectro Autista (TEA), por não apresentar características físicas e visíveis, por vezes, passa despercebido para uma parte da população, que não reconhecem ou ignoram a realidade vivida por ele. E é esta a luta e determinação de vários movimentos acerca da Conscientização do Autismo, que acontece todo dia 2 de abril, evidenciando que os indivíduos dentro do espectro têm habilidades e precisam de, no mínimo, equidade de direitos e possibilidades perante a sociedade.

De acordo com a pedagoga Thais Karoline Zanona, precisamos de uma sociedade mais justa e igualitária e indivíduos com TEA mais preparados, dispostos a enfrentar a sociedade e seus desafios.

Neste contexto, a aprendizagem social e habilidades sociais se demonstram essenciais para a qualidade de vida de pessoas com autismo. Estas “habilidades” auxiliam os indivíduos a expressar seus sentimentos, desejos, pensamentos e atitudes em diferentes ambientes sociais como: a família, local de trabalho, locais públicos, dentre outros.

Com uma preocupação mais efetiva com a aprendizagem, intervenções clínicas e terapêuticas tem grande destaque no trabalho com o autismo, visando a compreensão de mundo, a autonomia e a equidade na sua inserção social.

“Quando se fala em aprendizagem, não se refere apenas à alfabetização ou assimilação dos conteúdos de leitura e escrita apenas como decodificação de símbolos. Mas sim, uma aprendizagem que favoreça, principalmente, sua compreensão, possibilitando fazer inferências com o mundo e empregando nele sentidos mais amplos. Tratamos a compreensão como forma de comunicação tendo função e uso social e podendo ser recriada a partir de histórias escritas”, ressalta a profissional.

Portanto, com base em Nunes e Walter (2016, p. 622), “compreender um texto escrito é construir uma representação mental de seu conteúdo, coligando conhecimentos prévios com as informações extraídas, de forma a criar uma cena”, isso demonstra a importância da aprendizagem e do seu emprego no cotidiano, favorecendo a compreensão da sociedade em que vive, as inter-relações com suas vivências e contribuições para seu desenvolvimento.

A aprendizagem depende de inúmeros elementos para que, de fato, aconteça e permita que o indivíduo se desenvolva de modo a contribuir positivamente com a sociedade pertencente. “Quando consideramos o TEA, pensamos também, em toda uma sociedade que precisa se ajustar a uma nova maneira de pensar e agir, uma nova proposição de pensamento e atitude”, ressalta Thais.

Referência

NUNES, Débora Regina de Paula; WALTER, Elizabeth Cynthia. Processos de Leitura em Educandos com Autismo: um Estudo de Revisão. Ver. bras. educ. espec. 2016, vol.22, n.4. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_abstract&pid=S141365382016000400619&lng=en&nrm=iso&tlng=pt Acesso em: 11 dez 2018

Edição Digital Grátis!
Assine nossa newsletter
Baixe a edição digital da revista gratuitamente e receba as próximas edições, promoções e conteúdos exclusivos em seu e-mail.
CADASTRAR
Não enviamos spam e você pode cancelar sua inscrição a qualquer momento.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor deixe seu comentário!
Por favor informe seu nome