É possível sim manter uma vida sexual ativa e saudável nessa fase da vida

Quando se fala em idoso, logo se imagina um ‘velhinho’ sem forças, ou uma ‘velhinha’ sentada fazendo tricô. Essa representação entra em choque com a atualidade, pois essas são imagens que não correspondem ao real. Hoje, a grande maioria da população idosa tem características do envelhecimento sem estar nesse estereótipo. Não muito antigamente, quando a expectativa de vida era menor, poucos idosos mantinham uma boa saúde e o aspecto sexual era outro. Muitos se confortavam com a chance de suspender o sexo na terceira idade. Hoje, pessoas idosas, relativamente saudáveis, que gostem de sexo, são capazes de aproveitá-lo normalmente.

Segundo a geriatra Vera Lúcia Dias, a atividade sexual é importante para aumentar a autoestima e para diminuir a ansiedade nos idosos. “O sexo hoje não é visto apenas como necessário à reprodução humana, mas como fonte de prazer e realização”, diz a médica. Porém, como nessa época da vida tanto o corpo do homem quanto o corpo da mulher sofrem mudanças que desfavorecem a relação sexual, é preciso investir em alguns cuidados para que o sexo seja prazeroso em vez de doloroso e difícil.

Após os 65 anos, o homem tem seus níveis de testosterona e dopamina reduzidos, além de ter o hormônio responsável pelo bloqueio do apetite sexual aumentado. Esses fatores em conjunto podem minar a vontade do homem de ter relações sexuais, além de dificultar a ereção e diminuir a quantidade de esperma. No corpo da mulher, as mudanças ocorrem ao longo dos anos, e com a chegada da menopausa o corpo vai se alterando pouco a pouco. A mulher na terceira idade pode sentir dor nas relações sexuais, por causa das mudanças na pele. Além disso, após os 65, a mulher passa a ter orgasmos diferentes, com sensações diferentes e menos intensos.

Apesar desses fatores, a geriatra afirma que é possível sim ter uma vida sexual saudável e ativa na terceira idade.  Mas, existem alguns cuidados ou restrições? Segundo a médica, existem, mas estas restrições estão apenas relacionadas às doenças de base que o indivíduo apresente, assim como em qualquer idade, como, por exemplo, alguns pós-operatórios, insuficiência cardíaca grave, doença pulmonar obstrutiva grave, insuficiência coronariana grave, entre outras.

“Se o idoso está com sua saúde preservada, corrigidos ou minimizados alguns fatores que interferem negativamente no ato sexual em decorrência do próprio
envelhecimento, não há nada que o impeça de manter uma vida sexual ativa”, pondera a médica. É importante também que os idosos tomem muito cuidado com medicamentos que prometem milagres, então nunca se deve tomar remédios antes de consultar um médico. Recomenda-se também fazer exames regulares para conferir como anda a saúde.

 Por: Camila Neumann

Edição Digital Grátis!
Assine nossa newsletter
Baixe a edição digital da revista gratuitamente e receba as próximas edições, promoções e conteúdos exclusivos em seu e-mail.
CADASTRAR
Não enviamos spam e você pode cancelar sua inscrição a qualquer momento.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor deixe seu comentário!
Por favor informe seu nome