A tireopausa e a deficiência ou pausa da vitamina D são responsáveis por ocasionar diversas patologias.

Dando sequência e finalizando os estudos das diversas pausas que temos desenvolvido em várias publicações da Revista + Saúde, abordaremos hoje a tireopausa e a deficiência da vitamina D, considerada dentro da longevidade saudável uma verdadeira pausa que está relacionada com o envelhecimento do organismo humano.

A tireóide, glândula situada no pescoço, produz 100% do hormônio T4 e 20% do T3. O T3 é o hormônio tireoidiano mais importante, sendo hoje indispensável para o perfeito funcionamento do organismo humano e deve ser sempre prescrito quando há deficiência deste ou quando o T4 não pode ser convertido por alguma patologia que impeça a sua transformação. Quando a tireóide funciona normalmente dizemos que o nosso organismo está em estado de eutireoidismo, como é conhecido na medicina, e a medida que envelhecemos os níveis T3 começam a cair mais intensamente que o T4, portanto, é o nível de T3 no sangue e não o nível de T4 o marcador crucial intimamente relacionado com a vasta gama de situações patológicas.

Existe hoje uma situação clínica chamada de hipotireoidismo subclínico, pouco conhecido na medicina tradicional, que se caracteriza por depressão, incapacidade de concentração, cansaço crônico e aumento de peso, principalmente em pessoas idosas, mas pode ocorrer em qualquer faixa etária. Essa entidade médica pode ser facilmente diagnosticada, por exemplo, medindo a temperatura axilar pela manhã, cujo valores estão abaixo de 36,5ºC. O hipotireoidismo deve ser diagnosticado mais precocemente possível devido a sua implicação com graves doenças, como infarto e Acidente Vascular Cerebral (AVC). Entre as patologias glandulares é sem dúvida alguma a que mais tem poder aterogênico que é o entupimento de vasos em qualquer parte do corpo.

Os principais sintomas desta doença, entre os vários existentes, são aumento de peso, reumatismos, sangramentos vaginais inexplicável, osteoporose, arritmias cardíacas, fadiga, insônia, prisão de ventre crônica, depressão, rouquidão, infertilidade, alergias, acnes, intolerância ao frio com mãos e pés frios, entre outros.

Já a vitamina D, que na verdade não é uma vitamina e sim um hormônio, é sintetizada a partir do colesterol e apresenta receptores e ação em diversos órgãos, como ossos, tireóide, hipófise, timo, fígado, cérebro, medula, sistema reprodutivo e nas supra- renais.

A população precisa saber que a deficiência da vitamina D constitui numa verdadeira epidemia médica e tem implicações sérias na saúde dos homens, principalmente na prevenção de ataques cardíacos, diabetes, osteoporose, esclerose múltiplas, prevenção de placas ateroscleróticas e numa variedade enorme de cânceres, sem contar na depressão, epilepsia, enxaqueca, ovários policísticos, hipertensão, reumatismos que podem ter seus sintomas atenuados através do uso dessa importante vitamina. Suas fontes principais são peixes variados, salmão, atum, camarão, sardinha, manteiga, queijo, leite, semente de girassol, cogumelos, etc.

Ao concluir esta série de artigos referente as pausas, não podemos deixar de emitir nossa opinião, e de tantos outros estudiosos, sobre a existência humana de que não somos apenas lotados de corpo, mas sobretudo de sentimentos e inteligência. Conjecturamos que não somos apenas um barco a deriva no grande mar da vida.

Existem hoje três tipos de comportamentos que acontecem com os seres humanos em relação à vida: estamos a frente dos acontecimentos e, portanto, antevemos a eles e então somos considerados gênios, ou os fatos acontecem e corremos atrás para corrigi-los, somos metamorfose ambulantes e, portanto, somos considerados inteligentes, ou os fatos acontecem e não nos damos conta, convivemos com eles friamente como as plantas e os seres inferiores, e, portanto, não somos assim tão inteligentes. É preciso muito mais que isto, necessitamos manter um caso de amor com a vida, sair da passividade, não adiar decisões, curtir pequenas vitórias, melhorar a auto-estima, arrepender-se do que não fez, ouvir o coração, vencer a depressão, confiar na intuição e chorar de felicidade. Não olvide nunca que palavras acabam se tornando pensamentos, pensamentos tornam-se atitude e as atitudes tornam-se hábitos dentro da vida, e os hábitos fazem o teu destino. Assim, o destino somos nós quem fazemos.

 

Artigo Dr. Edson C. Crema

 

Edição Digital Grátis!
Assine nossa newsletter
Baixe a edição digital da revista gratuitamente e receba as próximas edições, promoções e conteúdos exclusivos em seu e-mail.
CADASTRAR
Não enviamos spam e você pode cancelar sua inscrição a qualquer momento.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor deixe seu comentário!
Por favor informe seu nome